DHL Express Portugal > Novidades sobre envios internacionais > E-commerce > Como as marcas responderam às necessidades dos consumidores

 

Como as marcas responderam às necessidades dos consumidores

Como as marcas responderam às necessidades dos consumidores

Com o confinamento como resposta ao surto de Covid-19, muitos negócios tiveram de se adaptar, aderir ao e-commerce e passar a oferecer modelos D2C (direct-to-consumer) e/ou serviços de subscrição para se adaptarem às alterações de comportamento dos consumidores.

Desde o início da pandemia que o setor alimentar registou uma maior procura dos seus produtos. A Unilever viu as suas vendas aumentarem 4.8% na América do Norte e 1.4% na Europa no primeiro trimestre de 2020.

O aumento das compras online também foi exponencial. Com o encerramento das lojas físicas e a imposição de regras nas lojas que se mantiveram abertas, os consumidores converteram-se ao e-commerce. Segundo o relatório da Acosta, 28% dos compradores online norte-americanos efetuou a sua primeira compra online de sempre em março, devido à Covid-19. Estes dados demonstram a crescente importância de se ter uma presença digital.

Saiba como algumas marcas se adaptaram a esta nova realidade:

Direct 2 Consumer

Algumas marcas de alimentos como a Heinz e a Nestlé criaram caixas com conjuntos dos seus produtos que os consumidores poderiam adquirir online. Esta foi a forma que encontraram para que os consumidores obtivessem os seus produtos favoritos, numa altura em que os supermercados estavam com uma grande procura.

Este modelo de compra, o D2C, pode vir a beneficiar as marcas a longo prazo. Segundo Nick Hughes, um escritor especializado na área alimentar, “o maior potencial é a capacidade de manter relações diretas com os consumidores, o que significa que se pode recolher dados mais ricos e, por sua vez, personalizar a sua oferta”.

Conheça as dicas da DHL Express para vender diretamente ao consumidor em e-commerce.

Dos bares para o virtual

Setores como o das bebidas alcoólicas viram as suas vendas descer com o encerramento dos bares. Para se adaptarem, também levaram o seu negócio para o online. A marca de cerveja artesanal BrewDog abriu 102 dos seus bares virtualmente, para que os seus consumidores pudessem “entrar” e participar em quizzes e degustações. A Bacardi estabeleceu uma parceria com alguns bares para produzir um menu de cocktails exclusivo, que os consumidores podiam pedir pela Deliveroo.

Saiba como a Covid-19 alterou os hábitos de compra na China.